Com a crise financeira que impacta o país, diversas áreas profissionais passam por tribulações, desacelerando a contratação e com baixo índice de crescimento. No entanto, indo na contramão das estatísticas, a área de gerenciamento de projetos reagiu e ainda reage bem.

Segundo a pesquisa Guia de Profissões e Salários da Catho, a média salarial no Brasil é de R$ 5 a R$ 7 mil, dependendo do ramo de atuação, que se destacam as áreas de Metalúrgica/ Siderúrgica, Telecomunicações, Construção Civil e Bancário/Financeiro.

Mas afinal, por que essa área corre contra a maré e consegue se manter firme hoje em dia? A reposta é simples: tudo está ligado as características do GP.

O profissional Gerente de Projetos que se destaca, possui algumas capacidades que são essências para o mercado atual, como: gerenciar riscos, liderar pessoas, gerenciar recursos financeiros e stakeholders.

Já no mercado das novas empresas que estão aderindo a implantação da área de gerenciamento de projetos, se destacam as agências de publicidade e comunicação. Isso ocorre, porque normalmente, o GP possui o papel de facilitador, que transita por todas as áreas que englobam o projeto, contribui para a eficácia da comunicação, traça estratégias, auxilia na redução de crises e aumenta a chance de uma entrega de sucesso, normalmente seguindo o prazo, sem custo extra e aproveitamento total da equipe.

Esse cenário otimista, com a implantação de um modelo de gestão de projetos focado na gestão interna, em melhores resultados para os clientes, apresenta uma tendência de inovação de processos que, certamente, terá um grande impacto no mercado publicitário brasileiro.

Sobre o Autor

Jornalista do Instituto Mestre GP, formada pela Universidade São Judas Tadeu. Trabalha com comunicação há nove anos e atua com marketing digital e marketing de conteúdo.

Você também pode curtir

Deixe um comentário