Como cultivar o equilíbrio emocional nas organizações

Spread the love

O equilíbrio emocional foi tema da live com Karen Hada – Diretora de Operações da F.biz

 

O mundo está enfrentando grandes mudanças por conta do coronavírus (COVID-19). Com isso, diversos profissionais estão de férias ou passaram a trabalhar na modalidade home office, escolas fecharam, estabelecimentos comerciais considerados não essenciais estão fechados, por fim, grandes mudanças em um curto espaço de tempo, atraindo consequentemente, sentimentos como a insegurança, medo e incertezas que afetam o emocional.

O equilíbrio emocional é um tema que já era importante e tinha grande destaque nas organizações, mas atualmente, passou a ser imprescindível e observado com mais atenção, não só por perfis que lidam diariamente com pessoas, mas também, no contexto geral. Afinal, a saúde mental está totalmente ligada à sentimentos que afloram dentro e fora do ambiente profissional.

Para Karen Hada – Diretora de Operações na F.biz, o equilíbrio não é buscar ser uma pessoa estável. “Os nossos sentimentos atuam como uma gangorra, sobem e descem, em um único dia. Em determinados períodos, conseguimos atingir a estabilidade, outros não. O mais importante é conhecer como funciona o seu processo para tingir o equilíbrio emocional e manejar da melhor forma as respostas para o seu bem-estar”, completou Karen na live semanal do Instituto Mestre GP.

Após buscar alternativas para controlar a ansiedade e Burnout (também conhecido como Síndrome do Esgotamento Profissional), que atingiu alguns amigos próximos, a diretora de operações tem se aprofundado em estudos comportamentais e seus impactos nas organizações.

Acredita que para a conquista do equilíbrio emocional é necessário ir além, mergulhar em conhecimento, estudar, trocar experiências, e compartilhou conosco sobre a abertura desse tema no mercado publicitário.

 

Qual a importância do equilíbrio emocional?

Para iniciar a resposta, Karen destacou a frase de João Paulo Pacífico – CEO ativista do Grupo Gaia -, que leu em um artigo publicado no LinkedIn: “Os líderes são contratados por competências técnicas e demitidos pela falta de habilidades emocionais”.

Atualmente a competência técnica já não é suficiente para o sucesso profissional. Para as organizações, são as competências comportamentais o grande diferencial e, nesse contexto, a capacidade emocional de uma pessoa se tornou um fator determinante para que ela atinja os objetivos profissionais e pessoais.

“O equilíbrio não ajuda somente a liderar pessoas, mas também a se sentir resistente diante situações diversas e tensas que o gestor lida com o time, gestores, clientes e parceiros. Equilíbrio é conseguir mesclar as habilidades técnicas com as emocionais, e ambas, precisam ser trabalhadas. Não é a bagagem de maturidade e idade que desencadeiam o equilíbrio emocional, são estudos, buscas constantes para conhecer a si próprio.” – afirmou a diretora de operações da F.biz.

No decorrer da vida as pessoas são cercadas por informações como crenças, comportamentos, culturas. Para atingir o equilíbrio, é necessário manejar todos esses pontos, não abafar um aspecto negativo, e destacar somente o positivo. É a integração de todas as características de cada indivíduo e, assim, utilizá-las da melhor forma para atingir os objetivos.

 

Gerente de Projetos X Equilíbrio Emocional

O profissional de gestão de projetos tem diariamente o desafio de lidar com diferentes perfis de pessoas, sendo assim, ocorre o encontro com inúmeras crenças, culturas, sentimentos, que cada profissional possui em sua bagagem de vida.

Ter equilíbrio emocional é um skill importante para o gerente de projetos. Com investimentos em recursos e ferramentas, o profissional terá um bem-estar diante a situação de estresse e problema.

De acordo com Karen Hada, o equilíbrio emocional qualifica o profissional de projetos a linguagem adequada para entender melhor as pessoas e conseguir transmitir a comunicação eficaz.

No final da live, a diretora de operações, afirmou que não existe uma fórmula mágica e dicas para incorporar o equilíbrio emocional na operação de um profissional e/ou empresa. No entanto, indica dois pontos que considera essenciais:

1 – Meditação:

Karen acredita ser o ponto de partida, levando em consideração a sua experiência pessoal. Aqui, não importa se é no aspecto espiritual ou de conhecimento.
A meditação é uma prática que torna possível desenvolver qualidades humanas básicas, como por exemplo, treinar para tocar um instrumento musical ou adquirir outras competências.
O objeto da meditação é a mente, conhecer melhor os seus aspectos pessoais com maior nível de concentração, que não seria possível alcançar de outra forma.

2 – Seja curioso:

Mergulhe de cabeça, estude, se conecte com outras experiências.
“O encontro do equilíbrio emocional não é mudança imediata, um combate, uma guerra. Um exemplo disso, é o estudo de ferramentas de processos. Sabemos que a metodologia Ágil, para ser eficiente, não é apenas ler um artigo. É o estudo, a aplicação, a adaptação. Assim é com o equilíbrio emocional, seja curioso e busque.” – conclui Karen Hada.

Esse conteúdo foi um pouco da discussão que ocorreu na última live do Instituto Mestre GP. Se você não conseguiu acompanhar, em breve iremos disponibilizar todas as lives na íntegra, aguardem.


Spread the love

Oferecimento

Mantenedores

Entidades Apoiadoras