Quais habilidades técnicas e humanas um líder precisa ter? Confira dicas para melhorar as skills do GP

 

Por Gabriela Manzini, Head de Conteúdo no Mestre GP*

O Gestor, Gerente ou Líder de Projetos, mais conhecido como GP, é um agente condutor de mudanças dentro do mundo VUCA. Em tempos de Transformação Digital, sua importância cresce no sentido de quebrar os silos dentro das agências de publicidade e ajudar a organizar e construir novos processos de trabalho para projetos mais eficazes e rentáveis.

Mas o que esperar de um GP enquanto profissional, dentro de seu escopo de trabalho? Por quais habilidades ele deve ser cobrado? Qual o perfil de um profissional desta área?

Assim como um líder, as habilidades técnicas se intercalarão com as de cunho humano, mas precisamente chamadas de Hard e Soft Skills.

  • Hard skills: capabilidades técnicas > é possível adquiri-las por meio de cursos, ferramentas, metodologias. Assim, o domínio de ferramentas e técnicas de processos e gestão estão entre as habilidades requisitadas pelos RHs para este profissional.
  • Soft Skills: competências subjetivas, também conhecidas como people ou interpersonal skills > curiosidade, visão do todo, empatia, comunicativo, motivador, positivo, educador, persuasivo, integrador.

Mas qual o nível de entendimento de cada skills que se espera que o GP tenha?

Segundo as professoras do Módulo 1 e 2 do Curso de Gerenciamento de Projetos, Jaqueline Travaglin e Vanessa Mendes, este profissional não tem que ser técnico, mas precisa saber que precisa ter um projeto que entregue eficácia e rentabilidade. “Precisa ter um conhecimento que embase tudo que envolve, conhecimento básico mesmo. Na maior parte das vezes, é conhecimento padrão”, afirmam as profissionais. Jaqueline é diretora geral de operações da Y&R e Vanessa é diretora de Operações na Hogarth.

Já as soft skills, acabam formando por muitas vezes um tema polêmico no mercado, pois espera-se que este profissional tenha habilidade e jogo de cintura para comandar projetos, mas sem ser o ‘dono’ do processo todos, permitindo que as pessoas envolvidas tenham liberdade para trabalhar e atuar conforme seus expertises.

 

Abaixo, você encontra várias dicas das profissionais que pode te ajudar a equilibrar essa balança entre liderar e inspirar.

“Não é invadir o espaço do outro, não é trabalhar pelo outro, é um trabalho colaborativo” – Vanessa Mendes, diretora de Operações na Hogarth.

“Ele é o fio condutor. ele tem que garantir que a informação flua no timing certo, jeito certo. E o conhecimento é o que guia essa gestão” – Jaqueline Travaglin, diretora geral de operações da Y&R.

“Se estivermos em trabalhos que tem atritos, é sempre olhar o copo meio cheio: o que
aprendi disso? O que eu quero que não se repita?” – Jaqueline Travaglin.

“Entrevistas, almoços e cafés com todas as áreas te permite entender o que você não conhece e evitar escopos errados. Além disso, ouvir dos assistentes à diretoria, nesta ordem, te permite entender os reais problemas do dia a dia para trazer soluções. Precisamos ser menos ‘projeto’ e mais ‘gestão’” – Jaqueline Travaglin.

“Errar é importante. […] Não pode colocar o erro como se fosse uma faca no coração. Sem mimimi. Aprenda com seus erros, aprenda com as dificuldades”, Jaqueline e Vanessa.

“Pode existir gerente de projeto atrelado a uma área, atrelado a um projeto, atrelado a uma empresa. Precisa projetizar todas as áreas e ensinar skills junto de todos que estão atrelados a nós” – Jaqueline Travaglin

“A gente vai entregar o que tem que entregar para os nossos clientes, mas de forma inteligente, organizada e gastando menos com a receita do cliente” – Vanessa Mendes.

>> Leia ainda: “Como criar processos operacionais dentro de uma agência de publicidade” 

*Gabriela Manzini é jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo, trabalha com comunicação desde 2008 e é especialista pós-graduada em Comunicação Corporativa pela Cásper Líbero com nanodegree em Marketing Digital. Atua hoje com comunicação estratégica, marketing digital, especialmente marketing de conteúdo e inbound. Em suas passagens por agências de comunicação e marketing, já atendeu clientes como Microsoft, Philco, Wacom Brasil, Toshiba Brasil, Citibank, Credicard Hall, Omron, Internacional Shopping Guarulhos, e os cantores Fábio Jr. e Paula Lima. Na área corporativa, trabalhou no departamento de marketing da Shoestock e é a atual Head de Conteúdo do Digitalks, empresa do grupo iMasters, referência em marketing digital no Brasil. Possui ainda expertises em planejamento estratégico, design thinking para inovação, comunicação interna e endomarketing, além de prestar consultoria em mídias sociais para pequenos negócios.

Você também pode curtir

Deixe um comentário