Paulo Martinez, COO da Ginga e membro do Comitê de Inovações Mestre GP, compartilha uma reflexão sobre qual o real valor do tempo que tanto se busca nos dias atuais.

Vivemos tempos frenéticos, a vida e a sociedade se movimentam em altíssima rotação, as mudanças são exponenciais, tudo é pra já! “Tempo é dinheiro”, diz a consagrada frase de Benjamin Franklin, que desde o século dezoito virou mantra no mundo dos negócios.

O tempo é, hoje, nossa principal unidade de medida: não perder tempo, ter tempo, usar bem o tempo, dar um tempo, não deu tempo. Ops, não deu tempo? Essa sim é a frase mais usada no mundo dos negócios e, porque não, da vida.

A habilidade em lidar com o tempo de forma equilibrada afeta diretamente a satisfação, a qualidade e a produtividade com o trabalho ou qualquer outra atvidade.

A patologia humana está em correr atrás do tempo, literalmente, o tempo todo. Não paramos para refletir sobre o que estamos fazendo, não usamos o tempo de forma estratégica e inteligente, usamos o tempo de forma tática, burra.

Vale observar com atenção como as atitudes do ser humano se dão na esfera sutil. A antroposofia, por exemplo, tem em sua visão do homem integral, a representação por três dimensões: o pensar, o sentir e o querer (ou agir).

Será que estamos perdendo a capacidade de pensar e de sentir? Partimos diretamente para a ação achando que ganhamos tempo, quando, na verdade, nunca o encontramos.

No mundo atual, criou-se a sensação de que estar sempre ocupado é algo bom, de que estar em reuniões é estar sempre ocupado, de que o sem número de tarefas menores fazem um dia cheio. Estamos satisfeitos, nos enganando, por ter tido um dia cheio, cheio de ações sem valor.

Vale a reflexão: trabalhar no automático não é a mesma coisa que gerar valor. Gerar valor é partir da essência, é pensar e sentir antes de somente agir.

Portanto, antes de começar a se afogar no dia-a-dia, pense, sinta, entenda o propósito (ou a falta dele) naquilo que ocupa a sua energia.

Ainda dá tempo!

********

“A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!

Quando de vê, já é sexta-feira!

Quando se vê, já é natal…

Quando se vê, já terminou o ano…

Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.

Quando se vê passaram 50 anos!

Agora é tarde demais para ser reprovado…

Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas…”

(O Tempo, por Mario Quintana)

Texto produzido para o LinkedIn, acesse!

Sobre o Autor

COO da Ginga e membro do Comitê de Inovação Mestre GP. Especialidades: design de estratégia, design de experiência do usuário, design de soluções, compra de mídia, ambiente digital, marketing móvel, mercado publicitário, redes sociais, conteúdo de marca, direção criativa.

Você também pode curtir

Deixe um comentário